País tem ao menos 357 cidades sob risco de novo surto ligado ao Aedes

29/11/2017

Primeira Mão Notícias - foto divulgação

 

 

 

 

 

 

Outros 1.139 municípios estão em situação de alerta para novos surtos

Levantamento do Ministério da Saúde aponta que ao menos 357 municípios brasileiros estão em situação de maior risco de novo surto de dengue, zika e chikungunya. Isso indica que mais de 4% dos imóveis visitados nestas cidades tinham larvas do mosquito Aedes aegypti, que transmite essas três doenças.

Outros 1.139 municípios estão em situação de alerta para novos surtos, o que ocorre quando esse índica fica entre 1% e 3,9%.

Os dados, que trazem um panorama dos riscos para o próximo verão, momento em que o clima fica ainda mais propício à infestação de Aedes, são do último LirAa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti).

Ao todo, 3.946 municípios participaram do levantamento -um aumento de 73% em relação à análise feita no mesmo período do ano anterior, quando 2.282 municípios enviaram informações.

O crescimento ocorre após o governo determinar o bloqueio do envio de recursos federais de vigilância aos municípios que não enviarem tais dados. As vistorias foram realizadas entre outubro e a primeira quinzena deste mês.

Somados, os dados de risco e alerta indicam que cerca de quatro em cada dez cidades avaliadas apresentam maiores chances de desenvolver surtos de dengue, zika e chikungunya -o equivalente a 38%.

O percentual é semelhante ao encontrado em balanço realizado no mesmo período do ano anterior, quando 855 das 2.282 cidades estavam com quadro de risco ou alerta.

Entre as cidades nessa classificação neste ano, estão nove capitais: Maceió, Manaus, Salvador, Vitória, Recife, Natal, Porto Velho, Aracaju e São Luís.

Outros 2.450 municípios apresentaram situação satisfatória, ou seja, tinham menos de 1% dos imóveis analisados com focos de Aedes.

DADOS POR REGIÃO

De acordo com o levantamento, o Nordeste é a região com maior número de cidades analisadas em situação de risco ou alerta: 18,8% estavam nesse primeiro grupo na e 41% no segundo.

Em seguida, está o Norte, com 9,3% em situação de risco 40,4% em alerta.

Já o Sudeste tem cerca de 20% dos municípios analisados nessas duas categorias, percentual semelhante ao do Centro-Oeste e Sul.

Doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

Diante dos dados, o Ministério da Saúde lançou uma nova campanha para incentivar a população a combater focos do mosquito. Já o dia de mobilização nacional contra o Aedes aegypti está marcado para 8 de dezembro.

"Estamos muito preocupados. O fato de ter diminuído a intensidade do problema [neste ano] provoca descuido das pessoas", afirmou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Neste ano, o país teve redução no número de casos de dengue, zika e chikungunya, um cenário que pode estar associado tanto à forte epidemia vivida nos últimos anos quanto ao aumento das ações de controle após a declaração de emergência ligada ao zika e à microcefalia.

Dados do último boletim epidemiológico apontam 239 mil casos prováveis de dengue notificados entre janeiro até novembro deste ano, uma redução de 84% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já os casos de chikungunya somaram 184 mil, com queda de apenas 32%. A doença também levou a 149 mortes.

Também foram registrados 16.870 casos prováveis de zika, uma queda de 92% em relação ao ano anterior.

Segundo Barros, a menor redução de casos de chikungunya indica que a doença pode continuar a circular com intensidade. "Mas sabemos que o mosquito é um transmissor universal. Por isso temos que combatê-lo", completa. Com informações da Folhapress.

2017 - Todos os direitos reservados
PRIMEIRAMAONOTICIAS.COM.BR