PGR rescinde acordos de delação de Wesley Batista e Francisco de Assis

26/02/2018

Primeira Mão Notícias - foto divulgação

 

 

 

 

 

 

Ambos são acusados de omitir fatos criminosos ao Ministério Público Federal; órgão, no entanto, manteve as provas adquiridas em depoimentos e na entrega de documentos

A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu rescindir os acordos de colaboração premiada de Wesley Batista e Francisco de Assis e Silva, sócio-proprietário e executivo da J&F, respectivamente. A providência foi tomada no âmbito de um procedimento administrativo e é decorrente da constatação de que, assim como Joesley Batista e Ricardo Saud – que já tiveram os acordos rescindidos – os dois descumpriram os termos da colaboração ao omitirem, de forma intencional, fatos criminosos dos quais tinham conhecimento no momento do fechamento dos acordos firmados com o Ministério Público Federal (MPF).

No entanto, conforme o portal G1, o órgão manteve as provas adquiridas em depoimentos e na entrega de documentos. O descarte só ocorre em caso de anulação.

No caso de Wesley, a decisão da procuradora-geral considerou indícios da prática de crime quando o empresário já se encontrava na condição de colaborador. A decisão foi enviada, nesta segunda-feira (26), ao relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), para homologação.

Na manifestação, Raquel Dodge enfatiza que os colaboradores infringiram as cláusulas 25 e 26 do acordo. As investigações revelaram que, no momento do fechamento das colaborações, eles deixaram de informar ao MPF fatos ilícitos, como a prestação de serviços ao grupo empresarial pelo então procurador da República Marcelo Miller. O ato, destaca o documento, configura corrupção ativa 

2018 - Todos os direitos reservados
PRIMEIRAMAONOTICIAS.COM.BR