Confederação de lojistas estima perdas de R$ 27 bilhões durante a greve

28/05/2018

Primeira Mão Notícias - foto divulgação

 

 

 

 

 

 

Vendas de produtos não-essenciais estão praticamente paradas, afirma setor

A CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) estimou perdas  de R$ 27 bilhões no setor de comércio e serviços como consequência da paralisação de caminhoneiros.

A entidade aponta que, com a perda do setor, o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) poderá ser negativo no segundo trimestre e será menor do que o inicialmente esperado para 2018, ficando próximo a 2%.

Outras entidades ainda não fizeram seus cálculos, mas consideram que as perdas podem ser expressivas, especialmente se a greve continuar.

Altamiro Carvalho, assessor econômico da FecomércioSP, diz que os setores mais sensíveis à paralisação são os que trabalham com bens perecíveis, combustível e serviços (como restaurantes e turismo).

Esses segmentos sofrem mais com as perdas pois as vendas que deixaram de acontecer nos últimos oito dias não serão compensadas no futuro. Quem deixou de colocar gasolina por uma semana não abastecerá mais por causa disso no futuro, explica.

Por outro lado, supermercados podem ter tido mais vendas nos últimos dias, devido a compras maiores feitas por consumidores com medo de desabastecimento, pondera Carvalho.

Ele diz que o efeito mais danoso da paralisação é a perda de confiança que ela gera em investidores que apostam no Brasil.

Marcelo Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo, diz que vendas de produtos que não sejam essenciais estão praticamente paradas.

Isso acontece porque os consumidores estão reservando combustível e, por isso, adiam o quanto podem idas a shoppings e lojas em geral. Com informações da Folhapress.

2018 - Todos os direitos reservados
PRIMEIRAMAONOTICIAS.COM.BR